quinta-feira, 24 de julho de 2014

VAMOS SALVAR O ROCK, NO JORNAL "O DIA"

Ajudando a salvar o rock mais uma vez: Leandro Souto Maior e eu demos uma geral em festivais que acontecem na Baixada e na Zona Norte do Rio, neste fim de semana e na próxima semana. 

Saiu em O Dia.

NOVA TURMA ROQUEIRA SE APRESENTA EM FESTIVAIS NA ZONA NORTE E NA BAIXADA
Eles querem falar à sua geração e salvar o rock
Texto e reportagem de Leandro Souto Maior e Ricardo Schott
Publicado em O Dia em 24 de julho de 2014

Nos anos 80 formou-se um circuito de espaços destinados ao rock que ajudou a catapultar uma geração de bandas, com seus hits e trajetórias que ainda despertam o interesse de quem gosta de música.

“O desafio do rock hoje é que surja uma nova geração de bandas que ultrapasse todas as barreiras das rádios, que chegue na população e não se restrinja ao circuito elitizado ou underground. E vejo que essa turma nova está aí”, ressalta Paulo Lopez, coprodutor do projeto mensal Rio Novo Rock, que estreia na próxima quinta-feira no Imperator, no Méier.

“A ideia é apresentar bandas promissoras do cenário carioca tocando com um equipamento de som e luz profissionais e ingresso acessível, R$ 4, com meia a R$ 2. Vamos formar uma plateia e eles vão salvar o rock!”.

Tipo Uísque e Drenna são as primeiras a subir ao palco, seguidas de Medulla e Canto Cego, em agosto (confira a programação completa no destaque ao lado). As três últimas também são atrações, junto de outras bandas, do evento gratuito Semana do Rock, no Paço Municipal de Mesquita, que acontece de amanhã a domingo.

“O rock é muito forte na Baixada. Mas não só a Baixada, acho que todo o Rio de Janeiro talvez nunca tenha sido tão rock and roll quanto agora. É realmente um grande movimento”, aposta Rogério Sylp, vocalista da banda T-Remotto, uma das escaladas para o Rock Na Praça, outro evento do gênero, também com entrada franca, que toma amanhã a Praça do Skate, em Nova Iguaçu.

Maicon Martins, da comissão que organiza o evento em Mesquita, lembra que festivais como o Passarela do Rock, que movimentava 20 mil jovens aos domingos no município, e o Rock Na Feira, que rola na Rua Feliciano Sodré na última sexta-feira do mês e reúne 1.500 pessoas na rua, pavimentaram o caminho para a criação por lá da Lei Municipal do Rock.

“Conseguimos isso aqui em Mesquita, um projeto de lei aprovado em novembro do ano passado pela câmara dos vereadores e, com isso, vamos ter esses três dias de rock, com bandas escolhidas entre as 184 que se inscreveram. É o resultado da ralação que tivemos durante todo o ano”, comemora.

SOM AUTORAL Mostrando coragem e talento, as bandas que se juntam nesses eventos têm em comum tocarem suas próprias músicas, abrindo exceção eventual para uma ou outra releitura (“Fazemos novos arranjos, cover, não!”, descartam, quase em uníssono) para mostrar sons que são suas influências. “Os grupos mudaram. Antes, produziam de acordo com o que achavam que o mercado queria. Hoje, vejo músicos tocando o que gostam de verdade, e o público está sentindo, e querendo, essa autenticidade”, atesta Keops, um dos gêmeos-vocalistas do Medulla.

A cantora, compositora e guitarrista Drenna faz coro: “Estamos testemunhando o começo de uma nova era do rock carioca”, acredita ela.

Fato é que, desde os anos 90, quando nasceram Planet Hemp, O Rappa, Charlie Brown Jr. e Raimundos, a sensação é de que nunca mais tivemos uma safra tão interessante e conectada com o grande público. As bandas que surgiram depois não tinham a potência das antecessoras e, com o trono vago, outros gêneros iniciaram seu reinado.

Essa turma que está aí colocando a cara de fora em busca de espaço pode não viver a mesma efervescência de décadas passadas, mas garante que é a cara de sua geração e fala a sua língua. E quer fazer dos anos 2010 os novos anos 80 (ou 90). “Naqueles tempos, o Imperator era um dos principais palcos do rock no Rio. Vamos resgatar essa vocação”, promete Paulo Lopez, do Rio Novo Rock.

ROCK NA VEIA

SEMANA DO ROCK 
Autodefinida como “a cidade mais roqueira da Baixada”, Mesquita recebe o festival, que traz Drenna, Blues De Luxe, Facção Caipira (sexta), Canto Cego, El Effecto, Medulla (sábado), Retorno em Dobro, Maieuttica e Hypnotron (domingo). Paço Municipal de Mesquita. Rua Artur Oliveira Vecchi 120, Centro, Mesquita. De amanhã a domingo, a partir das 17h. Grátis. Livre.

ROCK NA PRAÇA 
Dona’na, MisterNaka, Ego, Titânia e T-Remotto são as bandas que se apresentam no evento, que acontece em Nova Iguaçu, celebrando a Semana Mundial do Rock. Praça do Skate, Centro, Nova Iguaçu. Amanhã, a partir das 17h. Grátis. Livre.

RIO NOVO ROCK 
O festival leva ao Imperator, no Méier, uma banda que também está na programação do evento em Mesquita, a Drenna. E outro grupo com toque feminino, o Tipo Uísque. Imagens com o VJ Luciano Cian e som com o DJ Guilherme Scarpa, da Rockeria. Imperator — Centro Cultural João Nogueira. Rua Dias da Cruz 170, Méier (2596-1090). Dia 31, às 20h. R$ 4 (meia-entrada para estudantes e maiores de 60 anos). 16 anos. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário