quinta-feira, 30 de outubro de 2014

CULTURA NO SESC DO RIO

Você com certeza tem um amigo paulista que vive elogiando o circuito dos Sescs de São Paulo, dizendo o quanto eles são legais e apresentam uma gama de shows, cursos, eventos, etc. E já deve ter se perguntado porque é que o mesmo não acontece no Rio. Errou por muito: o mesmo JÁ acontece no Rio. Falta o carioca descobrir. Dá só uma olhada nessa minha matéria que saiu sexta no Guia Show & Lazer do jornal O Dia. Fique de olho nos próximos shows, que vale a pena.

SESC CARIOCA TRAZ ATRAÇÕES VARIADAS A PREÇOS POPULARES
Unidades do Serviço Social do Comércio no Rio se equiparam a São Paulo como polo de arte e cultura
Publicado em O Dia em 24 de outubro de 2014

O carioca está, pelas beiradas, descobrindo um circuito cultural que já é popularíssimo em São Paulo: o das unidades do Serviço Social do Comércio. Os Sescs, enfim. “Toda vez que temos projeto novo, percorremos os Sescs paulistas”, conta John Ulhoa, guitarrista do Pato Fu. “No Rio, é a primeira vez que fazemos com consistência. Cada Sesc tem sua configuração, preços acessíveis e fica um negócio bem democrático”, avalia a vocalista Fernanda Takai.


O grupo mineiro lança um novo álbum, Não pare pra pensar, e aproveita para repassar os hits em seus shows do Circuito Sesc de Música. Na semana passada, estiveram na unidade do Engenho de Dentro, onde posaram para O DIA. Hoje é a vez do Sesc Quitandinha, que ocupa toda a área social do histórico Palácio Quitandinha, em Petrópolis. Além deles, o Circuito traz Adriana Calcanhotto amanhã no Sesc Madureira, Zélia Duncan hoje em São João de Meriti e Mariene de Castro amanhã em Nova Friburgo. E vale lembrar que a música no Sesc não se restringe ao Circuito. O soulman Tony Tornado comemora o Dia do Idoso amanhã, na unidade Niterói, lembrando hits como BR 3. Rola até pista de dança em Madureira, com o projeto Eu Amo Baile Charme, matinê que acontece no domingo.

Cantoras e assíduas das unidades, Érika Martins e Julia Bosco acreditam que falta pouco para o carioca se declarar apaixonado pelo serviço. “O Sesc de São Paulo teve uma fase ruim e melhorou. Acredito que o do Rio já tenha dado uma crescida. Vejo pessoas de todas as idades nos meus shows”, conta Érika. Julia, que recentemente foi assistir ao show de Joyce Candido na unidade da Tijuca, acha que o carioca demora demais a assimilar coisas novas. “O Rio se acostumou muito com essas casas de shows enormes. Mas é uma questão de insistência”, diz.

O universo que o carioca ainda está para conhecer descortina vários mundos. Com 21 unidades no estado do Rio, o Sesc tem vários shows, cursos, peças de teatro. Há muitos eventos gratuitos, e shows e peças com ingressos variando entre R$ 8 e R$ 20. Para associados, os preços estão entre R$ 3 e R$ 5. “A missão é proporcionar qualidade de vida aos trabalhadores do comércio de bens, serviços e turismo, mas seu alcance estende-se para toda a sociedade”, conta Maria José Gouvêa, gerente de Cultura do Sesc Rio.


O teatro é forte no Sesc, em unidades como o histórico Teatro Ginástico, no Centro — inaugurado em 1938, ele foi absorvido pela rede em 2002. A peça Entredentes, dirigida por Gerald Thomas e protagonizada por Ney Latorraca, pode ser vista lá de hoje a domingo. Já no Sesc Tijuca, Maitê Proença e Clarice Derzié encenam À beira do abismo me cresceram asas, amanhã e domingo.

A escala não se restringe aos nomões. E novas tendências são sempre bem-vindas. Como o Projeto Geringonça, espécie de ponto de encontro jovem para “fruição artística”, que se tornou uma tradição no Sesc Tijuca. “Tem também o Engenhoca, no Engenho de Dentro”, diz Maria José, citando a unidade mais antiga do Estado. O Geringonça fecha a tampa de 2014 recebendo amanhã o pesquisador cultural Antonio Nóbrega para um show inédito. Vai ser uma grande troca de figurinhas com os jovens. “Queremos abrir espaço para inovações e experimentações”, conta Maria José, prometendo que a democracia sempre vai estar em cartaz no circuito.

DIVERSÃO É A SOLUÇÃO, SIM Tem mais música nas unidades até o fim do ano. O Circuito Sesc de Música vai até dezembro, e ainda em outubro apresenta Marcelo Jeneci (dia 31, em Nova Iguaçu), mais um show do Pato Fu (dia 31, Madureira) e os veteranos vocalistas do MPB4 (dia 28, no Sesc Ginástico). Para os meses de novembro e dezembro, nomes como Lenine, 4 Cabeça, Ana Cañas, Roberta Sá, Leo Gandelman, Zeca Baleiro e Ivan Lins já estão confirmados. O Circuito Sesc de Teatro percorre 14 unidades do serviço em todo o Estado e traz peças como O homem da cabeça de papelão, Oleanna, O enxoval e Deus e o diabo na Terra do Sol. Entredentes, com Ney Latorraca, permanece em cartaz até novembro no Sesc Ginástico. Saiba das novidades através do site www.sescrio.org.br.

Um comentário:

  1. Fala, rapá!
    Só na semana passada, vi Sérgio Britto e Baia + Rick Ferreira tocando Raul (teve Pato Fu no mesmo dia, em Madureira). O carioca precisa ficar mais atento à agenda do SESC, muita coisa boa rolando.
    Abç!

    ResponderExcluir