terça-feira, 12 de maio de 2015

ENTREVISTA: FÁBIO JR

Então.

Na semana passada, rolou uma disputa entre várias mulheres do O Dia e do Brasil Econômico pela capa do Caderno D. O motivo: essa entrevista que fiz com Fábio Jr e que foi capa do jornal. A matéria que foi publicada no O Dia você confere aí do lado. A íntegra segue abaixo.

Aos detratores, segue o aviso de que Fábio está lançando um bom disco de inéditas, com uma sonoridade entre soul, r&b e rock, bem mais próxima dos seus primeiros álbuns. Vale abrir os ouvidos e dar uma escutada. E leia o papo aí embaixo.


Fábio, por que tanto tempo sem lançar um disco de inéditas? O último foi de 2004, né? Poxa, "dom"... Eu acabei embarcando em outros projetos. Saíram discos como o Fábio Jr. e elas, com duetos com cantoras, a última turnê durou três anos... Teve DVD, muita coisa. Quando comecei a compor foi quase como uma catarse, botei tudo para fora.

Não sei se concorda, mas o disco veio com um som que lembra os seus primeiros álbuns, aquela coisa mais ligada ao soul e ao rock. Isso foi intencional? Totalmente intencional. Alguns arranjos, alguma pegada, a voz tá meio sujinha, na cara. Os instrumentos estão nessa linha. Tem a ver com isso. Foi algo que veio do Dudu Borges e do Silvera. O Silvera tem muito essa pegada black. Já escutou o primeiro disco dele?

Não ouvi, não. É totalmente Marvin Gaye, Stevie Wonder. O cara canta que é um absurdo. Ouve só.

Tem alguma coisa que o Fábio Jr goste de ouvir em casa e as pessoas nem imaginem? Bom... de brasileiro eu adoro Roberto Carlos, Renato Teixeira, Tim Maia, Cassiano, Silvera! Adoro moda de viola também...

Mas tem algo bizarro? Você curte heavy metal, por exemplo? Não, não... Um cara que eu gosto muito é o John Mayer, conhece? Acho um gênio. O Felipe (Fiuk) que me apresentou. O cara deve ter dois cérebros, um para tocar e outro para cantar. É absurdo como ele consegue fazer as duas coisas ao mesmo tempo.

Você acaba de gravar uma música com a sua filha Cleo Pires. E esse papo de que vocês não se davam? Sim, ficou esse papo aí, mas... poxa, isso acontece em toda família, uai! Lembra daqueles versos? "Filhos, se não tê-los como sabê-los?" (cita o Poema enjoadinho, de Vinicius de Moraes). E eu tenho alguns filhos, né? Mas modéstia a parte, eu mando bem nesse negócio de filho...

Certo. Como rolou essa história de vocês cantarem juntos? Ela tava na Bahia filmando o Qualquer gato vira-lata 2 e iam criar um personagem que era o pai dela no filme. Ia ser uma aparição pequena e tal. Ela perguntou ao diretor se eu não poderia fazer o tal pai. Ele: "Bom, se você acha que seu pai vai topar, qual o problema?" Aí ela me ligou e topei na hora. A música veio logo depois disso. Mostrei para ela e falei: "Filhota, olha aqui o que eu escrevi pra você", e convidei.

E ela aceitou de cara? Não, não. Disse: "Ah, pai, não, você sempre pega no meu pé". Mas a Cleo canta pra caramba, cara, senão não iria ficar no pé dela. Ela disse que iria até o estúdio, mas que era para deixar ela, dependia do que ela quisesse fazer na hora. Sabe como é, bate aquela inspiração, aquela intuição... E ela: "Só de você ter escrito isso, já amei. Te amo pra sempre!"

Mas você pegava no pé dela por que? Ah, porque desde bem cedo já via que ela cantava bem. Lembro dela cantando Mariah Carey, Whitney Houston. Ficava ela e a Wanessa Camargo no sítio, as duas bem pequenas, cantando. Era um troço impressionante, mas ela dizia que não queria cantar porque me via longe de casa todos os fins de semana e não queria o mesmo para ela. Eu falava para ela não desperdiçar o dom que Deus deu para ela.

Recentemente alguns trabalhos que você fez como ator voltaram à TV: Pedra sobre pedra, Água viva... Acompanhou alguma coisa? Ih, eu adoro televisão, sou noveleiro. Assisto até à TV Senado, que tem uns musicais e tal.

Sério? TV Senado? É, rapaz. E essas reprises aí foram bem no meu horário. Meia-noite, uma e meia da manhã... Chegando do show dá pra assistir. Vi algumas coisas.

Aliás, você chegou a fazer windsurf, como seu personagem em Água viva? Nada. Aquilo era uma laser, na verdade. Uma espécie de vela... Fiz aula pra caramba e ficava lá posando de atleta magrelo.

E o Jorge Tadeu? Muita gente ainda te chama pelo nome dele, imagino (era o personagem dele em Pedra sobre pedra). As pessoas lembram mais, ainda mais agora, com a reprise. Lembro que a novela foi um puta encontro legal. Não é sempre que isso dá certo: elenco, produção, direção, harmonia entre todo mundo. Pô, nasci virado pra lua... Às vezes me perguntam porque não faço mais novela. Fiz o Tal filho, tal pai com o Fiuk e agora filmei com a Cleo. Eu faria novela de novo, sim. Adoro atuar, mas acabo emendando um trabalho no outro e fico sem tempo. Isso absorve muito e eu acabo embarcando.

Muitas músicas do disco falam de um amor que tá chegando. A Maria Fernanda (atual namorada de Fábio) serviu de inspiração para o disco? Pô, pra caramba. Se você pegar O que você quiser... (canta) "Puta mulher bacana/Que cabeça boa/Não é só um corpo/Ali mora uma pessoa". Foi pra ela. Tem outras no disco que foram totalmente inspiradas nela. Esse verso de "ali mora uma pessoa" veio por causa da Cleo, um lance que aconteceu uma vez. Arrumei uma namorada, apresentei pra ela e aquela coisa. Puxei ela no canto e perguntei: "E aí, filhota, o que achou?". E ela: "Pai, ali não mora ninguém! Ai pai, você entra em cada roubada..." E essa frase ficou. Puta sacada dela, né?.

Mas você acha que depois de tanto tempo, seis casamentos... Seu radar pra roubadas já está 100% bom? Não. Nada. Eu me envolvo demais, faço 50 músicas para a mulher que está comigo. Mas dei uma acalmada. Melhorei um pouco o radar e hoje a gente já reconhece mesmo quando se dá mal. Às vezes tenho que ouvir dos meus filhos: "Pois é, né pai? Puta roubada aquela..." Mas criançada, aviso: o papai tá mais tranquilo. Todo mundo sente no palco que tô feliz pra caramba.

Em Amém amor você conta a história da sua vida. Como foi falar disso? Resumi a ópera lá. A música é curtinha, falo das minhas cagadas, até a hora de conquistar a grande vitória, que é ser feliz com meus filhos. Falo das ex-mulheres... Os fãs sabem como a gente tá, eu sempre fui uma bandeira.


A música pela qual você é mais conhecido como compositor, Pai, é bastante confessional. Sim, é engraçado que só lembram dela. Virei meio que compositor de uma música só. Sabia que na época as pessoas não acreditavam na música? "Pô, isso tem cinco minutos, não vai tocar em rádio, não vai tocar em lugar nenhum!". E é a música mais importante da minha vida.

Você já parou para se ver como uma espécie de personagem da cultura pop nacional? Quando se pensa em você, as pessoas já pensam no galã, no cara que se casou várias vezes... Sim, sim, tanto que a gente tá aqui falando desse assunto... Cara, tem gente que se casa setenta vezes. A gente tem que é ser feliz. Nem todos os meus namoros precisavam ter virado casamento, mas fui feliz em cada relacionamento. Bom, alguns até a página 3, ou a página 7... Mas tem que vivenciar mesmo a experiência. Não aguento ficar sozinho. Fico vendo se está legal, se estão me tratando bem, me mimando bastante...

E tá sendo assim com a namorada nova?  Pô, é como a gente fala: o relacionamento entre a gente é "de verdade e divertido". A Maria Fernanda é assim. Ela é muito inteligente, senso de humor incrível, rápida no gatilho. Nós dois juntos parece que são umas 50 pessoas, é a maior festa. Precisa ver.

Como foi participar da bancada do Superstar ano passado? Rapaz, no começo foi terrível. 'Dom', é uma coisa que era até da minha praia, mas você fica ali sentado para uma coisa que parece mais aqueles circos da Roma antiga... Aí eu ficava que nem Nero dando sinal de positivo ou negativo e matavam um cara! E eu via os caras ali ralando. Eu sei o que é isso, passei por isso. Comecei a cantar com doze anos, fui fazer sucesso com 25, 26 anos. É muita ralação e aí você ter que julgar se uma banda é boa ou ruim... É muita responsa. Mas depois fui pegando uma vertente mais divertida e leve, fui pesquisando sobre as bandas. Li muito sobre elas. Mas no começo fiquei em conflito, pensei se deveria continuar ou não.

Brincavam muito com você por causa do "autoral" (Fábio vivia pedindo às bandas que apresentassem material do próprio punho, usando a palavra). Pegavam no meu pé toda hora, né? Mas eu enchia mesmo o saco com essa coisa de ter que ser autoral. Tinha que ser. Os caras já chegaram na Globo, por que iam ficar tocando músicas dos outros?

De onde veio esse seu hábito de chamar os interlocutores de "dom"? O Toni Tornado faz isso também. Você aprendeu com ele?
Não, não... Eu adoro o (escritor americano) Richard Bach e tirei esse "dom" do Donald Shimoda, personagem do livro Ilusões - Aventuras de um messias indeciso. Considero o Richard Bach o maior nome da literatura e esse livro me marcou muito. Conheci o Toni Tornado só em 1985, na novela Roque Santeiro, e já falava "dom" desde os anos 70. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário